Confira os pré-requisitos para ser um bom passeador


São poucas as pessoas que podem dizer que nunca pensaram em uma mudança radical, como ser um fazendeiro ou um marujo em um navio de luxo. Para muitos amantes de cães, aqueles sonhos ao ar livre dizem respeito à caminhada de cães. Uma vida cercada pela natureza e por cães felizes — mas, na realidade, há muito mais trabalho do que isso. 

De advogados a programadores de computador, representantes de vendas e contadores, enfermeiros e escritores, ex-militares e músicos clássicos, vários profissionais podem desejar ter outra profissão, como o passeador de cachorro, acompanhando os cães de outras pessoas devido ao carinho pelos pets ou como forma de – até – complementar a renda.

Perfil para ser um bom passeador de cães 

No mundo densamente povoado, altamente regulado e litigioso de hoje, no qual os mascotes são cada vez mais parte integrante da família, a boa e segura caminhada do cachorro exige habilidade técnica, resistência física e conhecimento profundo.

Com relação aos aprendizados, é importante que o passeador tenha conhecimento do comportamento de cães e manejo de matilhas até primeiros socorros caninos e etiqueta na trilha. 

Há vantagens, claro. A aparente liberdade, por um lado. Afinal um passeador de cães começa pode planejar seu dia e inicar a rotina de acordo com isso e não precisa se arrumar para o trabalho. Há ainda a chuva diária de amor. Em cada casa, em seu caminho, um passeador de cachorro é saudado pelos cães e seus donos.   

Para o tipo de pessoa que melhor se adapta à caminhada de cães, o tempo na calçada ou trilha — ou na praia ou no parque de cães — é o que faz tudo valer a pena.

Além dos óbvios benefícios para a saúde física e mental do ar fresco, do exercício físico e de estar em um ambiente tranquilo e natural por horas todos os dias, alguns caminhantes falam do prazer de observar cães farejando e brincando.

Para qualquer um com um interesse no comportamento do cão, a profissão de passeador é um campo de estudo fértil. 

No entanto, a rotina de ir de casa em casa para passear cachorros é boa no início, mas ela pode te desgastar com o tempo. Além disso, quantos desses seus futuros clientes passaram por um adestramento de cães? 

A maioria dos caminhantes de cão mantém a condução ao mínimo, escolhendo clientes dentro de uma área geográfica limitada e cronometrando seus ciclos de condução para evitar o tráfego pesado.

Se o tráfego é impossível de controlar, com o clima também ocorre o mesmo. Como acontece com qualquer trabalho ao ar livre, o mau tempo traz seu próprio conjunto de testes para quem caminha com cães. Desse modo, o profissional precisa estar preparado para os mais diversos cenários.

Cães encharcados e enlameados precisam ser limpos antes de voltarem para suas casas, então conte sempre com uma toalha e, possivelmente, faça a limpeza de cada cão, além de lavar as toalhas sujas como parte do trabalho também (caso seja necessário, dê um pulo no pet shop banho e tosa e cobre por esse serviço).

Por fim, há a solidão inerente de um trabalho que compreende o contato humano mínimo. 

Estes são os prós e contras da caminhada com o cão. Liberdade, exercício e amor canino são as principais vantagens; e, muita condução, mau tempo ocasional e contato humano escasso são os pontos negativos. 

Isso, no entanto, não é tudo o que há nesse mundo canino. Primeiro de tudo, é um negócio como qualquer outro e, como tal, envolve papelada, atendimento ao cliente, marketing, contabilidade e assim por diante.

Em segundo lugar, é um equívoco comum achar que a caminhada com cães é fácil. Você pode estar levando para passear dois dachshund com artrite ou um pintcher que acabou de sair do hospital veterinário do câncer e vai precisar saber lidar com essas situações. 

Pré-requisitos para ser um passeador

Gerenciar e treinar um grupo de cães — ou até mesmo um único — é muito mais difícil do que as pessoas imaginam.

Muitos passeadores começam apenas com seus sonhos ao ar livre, o amor pelos cães e a experiência de andar com seus próprios animais de estimação, e logo percebem que o trabalho também é sobre treinamento de cães e ser responsável pela segurança do amado companheiro de outra pessoa. 

Desse modo, ser um profissional passeador de cães exige: 

  • Interagir com outros usuários de calçada e trilha;
  • Ter as licenças e seguros apropriados;
  • Saber onde fica o hospital veterinário mais próximo para qualquer eventualidade;
  • Saber o que fazer se uma briga irromper na trilha;
  • Saber como agir caso um cachorro solto te empurrar na rua;
  • Estruturar sua rota;
  • Ser educado;
  • Iniciar um negócio legítimo;
  • Conversar e trocar experiências com outros profissionais certificados. 

Por fim, cabe destacar que muito raramente é reconhecido como os passeadores contribuem para a qualidade de vida dos cães que eles servem.

Isso porque, ao invés dos pets ficarem sozinhos em casa o dia todo, esses cães recebem exercícios cruciais e interações sociais, o que não é apenas saudável, mas mantém os cães seguros e também em lares permanentes. Muitos cães levados aoday care cachorro também podem contar com as vantagens de ter contato com outros animais e praticarem atividades físicas. Afinal, isso mantém o corpo e a mente do pet saudável – assim como ocorre com os humanos.

Por isso, cabe ainda dizer que tais praticas auxiliam na manutenção da relação do pet e de seu dono.

Isso porque muitos casos de cães abandonados ou devolvidos a abrigos é por causa de expressões normais de tédio ou falta de exercício: latidos, mastigação, excesso de energia e assim por diante.

Os cães estão fazendo o melhor para se adequar ao nosso estilo de vida do século XXI, o mínimo que podemos fazer em troca é levar a sério sua saúde física e mental dele. Isso significa confiar seu animal de estimação a um bom profissional.