Terapias e acompanhamento de animais pós traumas

animais

Hoje a medicina veterinária avançou muito, há instrumentos cirurgicos inovadores, metodologias de tratamento diferenciadas, e principalmente, novos setores da medicina para animais.

Uma dessas metodologias aplicadas nos animais são as referentes a superação de determinados traumas que podem ocorrer. Esses traumas podem ser causados tanto por acidentes domésticos, como por acidentes de níveis mais complicados, como de maus tratos.

Assim como os seres humanos, os cães, gatos e outros animais sofrem com o chamado Transtorno de Estresse Pós-Traumático (TEPT), e portanto, precisam de acompanhamento dos médicos veterinários da clínica veterinária popular e dos seus tutores.

Neste artigo falaremos sobre os cuidados a serem feitos com cães com TEPT e também sobre a fisioterapia que são realizada com os gatos e que ajudam muito no fortalecimento das suas musculaturas.

O estresse pós traumático e os cuidados com animais

Os animais podem sofrer de estresse pós traumático em diversas situações.

Algumas delas são:

  • Tomar um susto forte;
  • Sofrer maus tratos;
  • Cair de algum lugar;
  • Ser deixado sozinho por muito tempo.

É importante deixar claro que cada animal reage de diferentes maneiras sobre os eventos, e que portanto, quem determina o trauma é o próprio animal.

As consequências do trauma podem ser vários como: agressão de medo, fazer xixi por conta de medo, tremer, mudança abrupta do comportamento, e muitos outros.

Assim, para que um animal supere os traumas o papel dos tutores é essencial, afinal, além da realização de exames veterinarios para assegurar que a saúde do animal esteja bem, são eles que passam a maior parte do tempo com o animal.

Desse modo, falaremos de três pontos que podem ajudar os tutores a recuperarem a confiança do animal e ajudar eles a superarem o trauma.

1. Tenha uma rotina

O cão que tenha TEPT se torna um animal mais desconfiado, com uma sensação de insegurança.

Dessa forma, com ajuda de dicas com o veterinário Tucuruvi é preciso manter uma rotina, para que surpresas e sustos não ocorra. Isso garante uma rotina regular, e o faz ficar mais confiante.

2. Treinamento para fobias de animais

Há animais que possuem fobia de coisas específicas, e hoje já existem treinamentos específicos para as fobias.

Esses treinamentos atuam com metodologias específicas sem que haja imposição ou força com o animal, fazendo com que os animais se sintam mais confortáveis, perdendo o medo.

3. Brincadeira como terapia

As brincadeiras ajudam muito o cão a recuperar sua confiança e também a relaxar.

De acordo com o psicólogo e cientista de animais Jaak Panksepp da Washington State University, as brincadeiras podem contribuir muito, pois elas fazem a aumentar os níveis de dopamina, de modo que o humor melhore, e o cão se sinta seguro.

Importante ressaltarmos que sempre que é necessário esse acompanhamento deve ser feito com o veterinário, que indica os exames corretos, como ultrassom veterinário com doppler, entre muitos outros.

Fisioterapia para gatos

A fisioterapia para gatos é uma metodologia que consiste no uso de manobras com ou sem equipamentos que permitem que os animais consigam se recuperar de certas cirurgias, pequenos traumas, melhorando a qualidade de vida deles.

Os gatos apesar de serem conhecidos como arredios por conta da manipulação que o profissional faz, eles se adaptam muito bem as sessões, de modo que provoca um relaxamento do corpo do animal, fazendo com que este tenha as dores e desconfortos diminuídos, portanto, gerando um momento apreciado pelos gatos.

Abaixo falaremos sobre como a fisioterapia para gatos funciona.

Há muitas formas de execução desse tipo de exercícios, uma das principais é o uso de exercícios de solo, porém, há equipamentos que ajudam no controle da dor e da inflamação que promovem relaxamento.

Também existe a possibilidade do uso da água para exercícios, como a hidroterapia.

A escolha da melhor metodologia a ser usada com seu pet depende das necessidades dele e também da sua resposta ao tratamento e a sua receptividade as manipulações, afinal, cada animal possui reações diferentes.

As estratégias mais usadas nas fisioterapias para gatos são:

  • Cinesioterapia;
  • Eletroterapia;
  • Magnetoterapia;
  • Laserterapia;
  • Hidroterapia.

Desse modo, vimos que os animais assim como os seres humanos podem passar por circunstâncias de traumas e que é necessário usar de uma série de metodologias para que a confiança seja reestabelecida.

O acompanhamento dos tutores em conjunto dos veterinários permitem que os animais se recuperem o mais rápido possível.